domingo, 16 de outubro de 2016

Pigmento

Boa noite.

Trago a poesia de um amigo poeta: Bruno Borin.



Pigmento

Quando é que eu serei da tua cor,
Do teu plácido e azul encanto,
Ó claro dia exterior,
Ó céu mais útil que o meu pranto?
Fernando Pessoa - Chove?... Nenhuma chuva cai...
I
Quando o azul do céu foi dado;
E em meu cabelo colocado
Até ser uma palavra do meu corpo
E o sonho descansar ondulado e absorto,
Passei a ser o abrigo mágico das cores,
E o deslumbramento, exilado do real
Que o muito oprimia, matando seu ideal
Aprendeu a tatuar, no silêncio das dores
A experiência da viagem que é amar;
Florindo mais brilhante a cada toque,
Onde os beijos, cetins de fogo, a bradar,
Cultivam os alicerces de um novo norte.
II
Se a liberdade for uma loucura
E o amor um alienado devaneio
Quero me embebedar dessa cura
E me fartar de alucinações deste seio,
Pois agora que caminho diante da luz
E os dias não me são opressões cotidianas
Quero fazer invejar a notívaga Diana
Cujas caças não fogem das dores e da Cruz;
Quero de Hécate a magia dos dias vividos,
Para dar a quem amo a certeza de ser
Tudo que poderemos juntos promover,
E que seja a poesia o leme por nós movido!
III
Que os céus se desfaçam, os governos colidam;
A moldura mortal crepitada por sagrada flama
Seja; em sonho acordado ou na paixão ufana;
Conquanto que faça de vida intensa, a urdida trama,
O cenário que se tece será de amor fati, fustigado;
E a Morte perderá seu domínio, sendo a primavera
A grande lei. As cores invadindo as copas austeras;
Os nossos corpos limpas telas para o futuro comungado!
...........................................................................................
Quando o azul do céu foi dado;
E em meu cabelo colocado,
Flori, não mais corpo remendado;
Mas alvorada e crepúsculo,
Um Mundo todo, reinventado!
Bruno Borin

Nenhum comentário:

Postar um comentário